ARTIGO / NOTÍCIA

selecionado.

Adeus combate à corrupção

Adeus combate à corrupção

Ricardo Amorim

Rio de Janeiro, 10 de março de 2021.

Ricardo Amorim*

 

Fachin anulou condenações de Lula relacionadas à Lava Jato, considerando que 13ª Vara Federal de Curitiba não tinha competência para julgar casos do triplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e do Instituto Lula.

Agora, os processos serão analisados pela Justiça Federal do Distrito Federal, à qual caberá dizer se os atos realizados nos três processos podem ou não ser validados e reaproveitados.

Em fevereiro, a força-tarefa da Lava-Jato foi extinta, acabando com a independência política no combate à corrupção. Não houve reação popular significativa. Agora, com a anulação das condenações de Lula e abertura da possibilidade de outras anulações, o país decreta, de vez, o fim do combate à corrupção. A menos que a Justiça Federal do Distrito Federal julgue rapidamente e mantenha ou endureça as condenações de Lula, o recado dado a todo e qualquer político de toda a esquerda até toda a direita brasileira será inequívoco: não há por que temer consequências de atos de corrupção. Ganharam os políticos e a corrupção; perderam os brasileiros.

*Economista e ganhador do prêmio iBest de Economia e Negócios

Compartilhe esta página nas suas redes sociais:

Outros artigos/notícias

Comunicado
Comunicado
Gen Div Eduardo José Barbosa

Em cumprimento ao referido Decreto, para ter acesso ao Clube, será necessária a apresentação do comprovante de vacinação de todos os sócios, dependentes e convidados com idade acima de 16 anos.

 

Pensamento do Clube Militar
Pensamento do Clube Militar
Gen Div Veterano Clovis Purper Bandeira

Acossado por todos os lados, batido por fogos longínquos de Artilharia, incomodado por escaramuças e emboscadas ridículas, mas transformadas em crimes tenebrosos pelos menestréis e arautos que procuram disseminar a versão distorcida da realidade como se fosse a verdade, da qual consideram-se donos, o Guerreiro sentiu que estava perdendo a iniciativa e precisava agir. Mas tinha que ser uma ação que fosse impossível de negar, distorcer ou fraudar.

Resposta à coluna de um jornal moribundo
Resposta à coluna de um jornal moribundo
MAJOR-BRIGADEIRO JAIME RODRIGUES SANCHEZ

A imprensa tradicional parece estar chegando ao fundo do poço, e este não acaba no Japão, como imaginamos, mas na famigerada China “capimunista”.
Frequentemente, assistimos as viúvas da teta-mãe tentarem denegrir as Forças Armadas, na contramão das demonstrações de apreço e respeito a elas dispensados pela sociedade.