ARTIGO / NOTÍCIA

selecionado.

Até o boteco da esquina melhora seu sistema. Só o TSE não

Até o boteco da esquina melhora seu sistema. Só o TSE não

J.R. Guzzo

Rio de Janeiro, 19 de julho de 2021

J.R. Guzzo

 

A grande guerra do “voto impresso” que o público está vendo acontecer na sua frente é um desses clássicos da comédia — todos os personagens estão errados. Para começar, o público pagante, cujos interesses deveriam ser os únicos a serem levados em conta nessa conversa toda, está a anos-luz de distância do debate; até agora ninguém parou cinco minutos para pensar no que seria melhor para ele.

Depois, o “voto impresso” não é impresso — embora uma das facções se oponha furiosamente à impressão dos votos, a outra diz que jamais pensou em imprimir voto nenhum. Mais: é uma questão essencial para as eleições de 2022, mas os políticos acabam de adiar ainda uma vez a sua discussão, jogando tudo para “depois do recesso”. O lado “A” acha que o lado “B” quer roubar na apuração. O lado “B” acha que o lado “A” quer criar uma ditadura no Brasil.

Com a desonestidade fundamental que marca toda a discussão política no Brasil de hoje, transformaram uma questão puramente técnica, comandada pela mecânica e pela eletrônica, numa divisão ideológica irremediável.

A “esquerda”, encarnada no caso pelo ministro Luís Roberto Barroso e seus colegas do STF, diz que o sistema atual de urnas eletrônicas não pode ser tocado em absolutamente nada; não seria mais passível de nenhum tipo de aperfeiçoamento, por ter atingido a perfeição, segundo seus defensores, e qualquer tentativa de mexer nisso é um crime contra a democracia. A “direita”, encarnada pelo presidente Jair Bolsonaro, diz que esse mesmo sistema torna impossível uma eleição limpa — e que se as eleições de 2022 não forem limpas, não haverá eleição nenhuma.

Entre os dois fogos, ficam perdidos — e no mais completo prejuízo — o eleitor, que deveria ser o centro dos debates, e os que querem simplesmente um sistema de voto e de apuração melhores, mais modernos e mais seguros que o atual. O STF veta a discussão do assunto; diz que qualquer tentativa de melhorar o processo atual, em vigor há 25 anos, é “virar a mesa” para falsificar os resultados e impor uma “ditadura” ao país. Não foi capaz, até agora, de dar uma única resposta séria a uma pergunta simples: por que seria errado tentar aprimorar o atual sistema? Qual o crime em querer melhorar um conjunto de máquinas?

Os bancos, por exemplo, melhoram todos os dias a segurança, a eficácia e a inteligência de seus processos eletrônicos — gastam bilhões de reais nesse trabalho. A Receita Federal faz a mesma coisa; não passa na cabeça de ninguém, ali, trabalhar hoje co os métodos de 1996. A indústria e o comércio criam a cada ano, ou menos, novos ambientes eletrônicos para o exercício de suas atividades. O Uber melhora o seu sistema. O delivery de pizza melhora o seu sistema. O boteco da esquina melhora o seu sistema.

Só os burocratas do Tribunal Superior Eleitoral, sob o comando do STF, têm a certeza absoluta de que não há nada a melhorar nos mecanismos de votação e apuração das eleições brasileiras.

Mas os nossos políticos acham que nada disso é realmente importante, tanto que jogaram tudo para depois — na esperança de que a coisa acabe morrendo de morte natural. Como sempre acontece, mais uma vez fica claro que no Brasil há muita democracia, muita instituição, muito Estado de direito, muita ciência política — só não há povo. Esse não chega nem perto da conversa do ministro Barroso, dos mandarins da Câmara e do Senado, e de toda essa gente que aparece no jornal do horário nobre.

Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/vozes/jr-guzzo/ate-boteco-da-esquina-melhora-o-seu-sistema-so-o-tse-nao/?#success=true

Copyright ©️ 2021, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

Compartilhe esta página nas suas redes sociais:

Outros artigos/notícias

Comunicado
Comunicado
Gen Div Eduardo José Barbosa

Em cumprimento ao referido Decreto, para ter acesso ao Clube, será necessária a apresentação do comprovante de vacinação de todos os sócios, dependentes e convidados com idade acima de 16 anos.

 

Pensamento do Clube Militar
Pensamento do Clube Militar
Gen Div Veterano Clovis Purper Bandeira

Acossado por todos os lados, batido por fogos longínquos de Artilharia, incomodado por escaramuças e emboscadas ridículas, mas transformadas em crimes tenebrosos pelos menestréis e arautos que procuram disseminar a versão distorcida da realidade como se fosse a verdade, da qual consideram-se donos, o Guerreiro sentiu que estava perdendo a iniciativa e precisava agir. Mas tinha que ser uma ação que fosse impossível de negar, distorcer ou fraudar.

Resposta à coluna de um jornal moribundo
Resposta à coluna de um jornal moribundo
MAJOR-BRIGADEIRO JAIME RODRIGUES SANCHEZ

A imprensa tradicional parece estar chegando ao fundo do poço, e este não acaba no Japão, como imaginamos, mas na famigerada China “capimunista”.
Frequentemente, assistimos as viúvas da teta-mãe tentarem denegrir as Forças Armadas, na contramão das demonstrações de apreço e respeito a elas dispensados pela sociedade.