ARTIGO / NOTÍCIA

selecionado.

Cutucaram a onça com vara curta

Cutucaram a onça com vara curta

Correio da Manhã

Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2021
Cláudio Magnavita
Diretor de redação do Correio da Manhã

 

 

Um dos maiores erros do grupelho de senadores abutres que abduziu a CPI do Senado foi usar o relatório para mandar recado às Forças Armadas. Pedir o indiciamento do general Walter de Souza Braga Netto como forma de intimidar os militares e avisar que eles estão na mira do pelotão de fuzilamento de reputação criado por esses senadores é passar do limite. É um paradoxo ver um dos mais sérios e respeitados nomes, não apenas do Exército Brasileiro, mas de todo o comando superior das três armas, incorporar a seu currículo o “carimbo de indiciado” por uma CPI formada majoritariamente por senadores acusados de corrupção. Renan Calheiros e Omar Aziz não têm currículo, mas folha corrida. Braga Netto, por sua vez, é um general com carreira imaculada, desde seu ingresso na Academia Militar das Agulhas Negras, em 1975, até a chefia do Estado-Maior, em 2019. Hoje faz história como ministro da Defesa, emprestando a sua credibilidade e patrimônio moral ao governo federal.

Ao assumir a relatoria da CPI, Renan Calheiros disse que iria incomodar o Governo. Ninguém imaginaria que ele agiria como os camicazes japoneses. Essa sua atitude de intimidar as Forças Armadas é suicida. Basta comparar a autoridade moral do dedo acusador. As Forças Armadas foram fundamentais para combater a pandemia, transportar vacinas, pacientes, oxigênio e sofreram baixas com a Covid. Agora não recebem medalhas, mas um pedido de indiciamento feito por réus de processos de corrupção.

Compartilhe esta página nas suas redes sociais:

Outros artigos/notícias

Conheça seu político
Conheça seu político
Clube Militar

Prisão em 2ª instancia passa na CCJ da Câmara e é aprovada por 50 votos a 12. Agora conheça os 12 deputados que votaram contra a prisão em 2ª instancia na CCJ

A suprema traição
A suprema traição
Sérgio Pinto Monteiro

No atual cenário político-institucional brasileiro, tais conceitos e valores caíram em total desuso. A traição talvez seja a mais usual ferramenta – ou arma – utilizada por políticos, governantes, administradores, magistrados ou mesmo instituições, na busca de suas metas e objetivos, nem sempre republicanos e confessáveis.

O Golpe da Falsidade Ideológica
O Golpe da Falsidade Ideológica
Major Brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez

Segundo o Artigo 60 da Constituição Federal, a única forma de alterá-la é através de Emendas Constitucionais, apresentadas por no mínimo um terço dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado; pelo Presidente da República; ou por mais da metade das Assembleias Legislativas.